segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Steampunk na dança tribal?

Esse post é em homenagem ao pessoal da organização Steampunk do Paraná! O trabalho deles tem sido íncrivel! Confiram um pouco dos textos por eles escritos, além de fotos e vídeos.
















Essa pergunta rola solta inclusive na cabeça de quem já conheceu o estilo navegando pela net. A curiosidade com relação a imagens em sépia onde verificamos personagens desconhecidos que caracterizam capitães, aviadores, cavalheiros, damas, caçadores, aventureiros ou outros tipos lembrando personagens antigas, mas com um diferencial que os desvincula da história conhecida. Os aparatos mecanicotecnológicos que não existiam, ou pelo menos não deveriam ter existido naquelas épocas como foguetes nas costas, armas laser ou pistolas de raio, carros e aviões movidos a tecnologia a vapor ou o princípio de eletricidade.

O steampunk surgiu em meados de 1980 em meio a romances ciberpunk que vinculavam naquele período. Histórias de universos paralelos narrando aventuras com personagens conhecidas ou não, que de alguma forma mudaram algum detalhe no passado o que proporcionou mil e uma idéias e invenções que, de outra maneira, não teriam tomado forma. Assim, no conteúdo dessas histórias extraordinárias e convidativas encontramos Santos Dumont ainda vivo e melhorando seus inventos, ou a influência da Rainha Vitória em organizações militares que nunca existiram, mas que ali, naquele universo atuam e dirigem a história de forma fantástica e assombrosa. Personagens criativas interagem com grandes personalidades da história em todos os países do mundo, algumas vezes até vindos de outros orbes. Dessa forma a tecnologia a vapor desenvolveu-se de maneira astronômica levando o homem aos astros enquanto a eletricidade surgiu timidamente e convivendo pacificamente com o vapor. Juntas singram os mares da imaginação de escritores e roteiristas que cada vez aumentam em número seus escritos, filmes e animações. Como exemplo temos: “As Loucas Aventuras de James West”, “Steamboy”, “A Liga Extraordinária”, “Rocketeer” e o recente “9 – A Salvação”, entre outros e entre em contato com alguma idéia do que possa ser o steampunk, pois o universo steam é tão imensurável que ainda perdurará por décadas com exemplos assustadoramente atraentes.







E o texto foi totalmente tirado do site:
Conselho Steampunk Paraná
Tudo isso para homenagear e divulgar o trabalho dessa galera tão legal!(Ctrl c + Ctrl v) heheheheh


Steampunk Tribal































Devo confessar que muitas das performances que postei são puro "embromeichan", o meu vídeo favorito postado é o da Ariellah que está "estupenda" hahahah.

Mas temos que compreender que é um estilo que está evoluindo, e tem tudo para dar certo! Tem uma grande variedade de músicas, idéias e referências são inúmeras para montar um belo figurino e ótimas coreografias. Basta as dançarinas pesquisarem bastante e incrementar com sua própria personalidade e identidade. Esse movimento e estilo tem tudo para entrar nos trilhos e como diria o querido Carlos "Lenha na caldeira e asas a imaginação...".

Falei meio mal de alguns vídeos acima, ai que meda...
Segue o meu, Café Steampunk 11.12.2010
Performance que fiz juntamente com a bailarina Aline Elena...
Damballah!!!
uhulll

9 comentários:

Aerith/ Panda-chan disse...

Aiii!! Adorei o post Mariáh!!! Estamos mesmo conectadas, hein? Estava pensando em fazer um post no meu blog sobre o assunto... na dança,mas sem me aprofundar pq ainda conheço pouco desse universo magnífico. Mas devo fazer mais para frente^^ E vou colocar o seu link tá!! Acho que correlacionar os assuntos é uma boa forma de unificarmos a força tribal^^
bjss

Sancta Badra disse...

Parabéns Mariah! Ficou ótimo cara! Tem até eu aí!!! kkk! As próximas apresentações serão melhores... rsrs! Bjoooo vagaboooondsss!!! ^^

Rob Novak disse...

Olá Mariáh! Muito bom! Essa mistura do antigo, novo, irreal, surreal e inimaginável (até dado momento) é de se prender a atenção. Conseguir traduzir isso em uma nova dança e/ou movimentos para complicado, mas, nada que uma evolução a seu tempo não possa fazer. E você tem talento e entusiasmo de sobra para tanto :)
Bjo

Mariana Quadros disse...

Adorei as fotos e o texto! :)

Mariáh Voltaire disse...

Oie Mariana, realmente o texto é bem legal, mas os crédito vão todos para o Carlos, que reúne e agita a galera Steampunk aqui no Paraná!

Anônimo disse...

Oi, Mariah! Belíssimas imagens, vou fivulgar!
Bom, já sou adepta do tribal E fã da estética steampunk! Vou adorar ver seu vídeo! Por favor, avise quando estiver no ar!
Beijos.

Fábio disse...

Excelente! Sempre achei que Steampunk e Tribal tinha tudo a ver, mas ainda não havia visto pessoas que houvessem, de fato, executado a associação.
Muito legal saber que há tanta gente explorando a fusão do steampunk com o tribal no mundo; vai meu aplauso pra todo esse povo!

La Belle Coraline disse...

Lindo post Mariáh!
Seu blog é uma delícia,já estou seguindo!
bjos
http://labellecoraline.blogspot.com/

clara vitória disse...

seu blog é perfeito mariah ! to começando, ou pelo menos tentando começar na dança tribal, pois tive poucas aulas, mas amo esse estilo !
visita meu blog: www.amor-adanca.blogspot.com irei postar meu vídeo de tribal pra vc ver !